Loading...

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

11 de março de 2014

Poemas de Ubirajara Almeida

Cânticos ( I )

Ubirajara Almeida

Ceifei a juventude em noites
encantadas de álcool, música,
com intermináveis mulheres.
Embriagado vivi na opulência
de sensações amorosas
a deslizar sobre o corpo.
Vivam os dias que se foram
nos perfumes destilados
pelos desejos ternos
de variados sabores.
Nunca dei um dia
de trabalho feliz
mas as horas de prazeres
enfeitavam mais e mais
a vontade da sobrevivência.
Basta-me um lápis, um papel
e uma Musa. Não existe
riqueza maior do que esta
revelação emocional.

(De Dez Lírios & Tremifusas – Maceió 2012)


Cantata Nº 2

Ubirajara Almeida

Entre alegres numes e doces ninfas
Certamente estou com deuses no Olimpo
A beber goles de encantadas linfas
No vítreo corpo do cristal mais limpo.

Do sopro de Pã, valsa em semifusa
Uma feminina forma brejeira
De cor divinal com seu olhar de musa
Numa pintura luso-brasileira.

A iguaria farta ao som dos açoites
Nasce nas folhas das mil e uma noites
Para saciar o sonho cortesão.

Dança a deusa tão leve que flutua
Nos perfumados tons vindos da lua
Onde palpita a solene invenção.


(De Inventário do Silêncio – Maceió 2012)