Loading...

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

12 de setembro de 2013

Poemas de Márcia Sanchez Luz

Entre quatro paredes

Márcia Sanchez Luz

Entre quatro paredes
Esqueço-te.
Faço de mim companheira
Guardiã de meus sentidos.
Digo pra mim mesma
Que a ninguém é permitido
Violar o meu silêncio.
Meu espaço é sagrado!
Entre quatro paredes
Não tenho defeitos...
Não sou acusada
Nem fico acuada.
Violar meu santuário
É invadir-me por inteira.
Guardo-me e, portanto
Não tentes me destruir.
Entre quatro paredes
Desvendo quimeras
Transcendo esferas
Estratosferas
Biosferas
Esperas
Eras...


Transformação

Márcia Sanchez  Luz

Vejo em teus passos
Pedaços de um todo
De um tudo jogado
Em cantos, quebrado.
Sinto em teus olhos
O medo do incerto
Do tempo que passa
Da luz que se afasta.
Repassas tua vida
Com ferro em brasa
Ateias fogo, jogas água
Não te bastas.
Procura então
Em meio aos pedaços
Unir-te inteiro.
Teus primeiros passos
Vão te machucar
Vais gritar de dor
Vais querer parar.
Porém continua!
O medo vai cessar
Vais achar teu rumo
Encontrar saída
Pra essa escuridão.
Não ateies fogo
Onde o ar é leve
Onde a tarde deve
Te dar solução.


O ser e a mente

Márcia Sanchez Luz

Profícua mente escancarada
Doce mente estilizada
Elitizada e profanada
Insana e temerosa
Criação do nada
Que se esconde
Em prantos.
Em cantos
Se esgueira
Espreita calada
A cada segundo
Do ser e do mundo
Seu perfeito modo de ser
Atribulada mente... solitária.


(Transcritos de: Blocos Online)