Loading...

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

21 de maio de 2010

Meus Poemas

Cidade Atlântica

Iremar Marinho

Uma vazante tardia
alaga a Cidade Atlântica.
Seres anfíbios, acossados,
povoam os bancos de areia.

Maré de caranguejos tortos
(o peso da lama e salsugem)
emerge Brejal adentro.

Os maceioenses,
com a vida torta
dos goiamuns,
entram e saem dos becos, das tocas,
aos encontrões nas ruas tortas.

Entre o mar – a sua cruz –
e as lagoas – a espada
de Dâmocles da tiborna –
Maceió se espreme,
vaporosa e alagadiça.

No embate de mar e água doce,
só os caranguejos sobrevivem,
chafurdando na areia traiçoeira.

A terra prometida –
uma ilha no mapa da restinga –
é dos seres anfíbios afinal.
A redenção é dos caranguejos.


Tapagem do Alagadiço

Iremar Marinho

Maceió tem o seu mapa
traçado num berço de águas.

Entre o mar e a lagoa,
flutua a terra movediça.

Seu povo (seres anfíbios)
afunda e emerge
(afoga-se e revive)

A Cidade Atlântica
é porto de sereias
que aplacam a ira do mar
com orgasmos de sargaços.


Poema a um cão

Iremar Marinho

Ladra o cão na noite,
guardando a entrada
do inferno-horror.

A noite penetra
os cantos escuros
(seus encantos-muros).

O cão irreflexo
(o corpo inflexo)
morde a cauda em círculo.

A noite cai sobre o cão
(os gestos alertas
e negra penugem).

Com o cão na pálpebra,
não espero o dia
de pálida aurora.

Sonho madrugadas
e manhãs perdidas
(encardidos sonhos).

Na noite ferida,
ladra o cão vazio,
rosna vão vadio.

Vaga o cão sem-noite.
Na rua sem-dia,
tomba sob açoites.