Loading...

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

7 de outubro de 2009

Meus poemas

Saltimbanco

Iremar Marinho

No burburinho
cada um por si
vai costurando o mundo
que só de contrários se sustém.

Cada um vai fazendo suas contas
somando percalços
deduzindo alegrias
multiplicando desprezos.

No burburinho
cada um esbarra
na porta fechada de si mesmo.

No burburinho
quero passar com meu estandarte
expor estilhaços
calafetar rachaduras.

Estou sangrando
os pés calejados
as feridas expostas.

Aos trapos
minhas fissuras não comovem.

No burburinho
sou só um saltimbanco.

Melhores poemas que eu li - Fragmentos de Altazor

Do Canto II

Vicente Huidobro

Mulher o mundo está mobiliado por teus olhos
Faz-se mais alto o céu em tua presença
A terra se prolonga de rosa em rosa
E o ar se prolonga de paloma em paloma

Ao partires deixas uma estrela em teu lugar

Deixas cair tuas luzes como o barco que passa
Enquanto te segue meu canto enfeitiçado
Como uma serpente fiel e melancólica
E voltas a cabeça por trás de algum astro

Que combate se livra no espaço?

Essas lanças de luz entre planetas
Reflexo de armaduras desapiedadas
Que estrela sanguinária não quer ceder o passo?

Onde estás triste noctâmbula
Doadora de infinito
Que passeias no bosque dos sonhos?